perguntas frequentes

O que a Radix faz de inovador?

Somos uma greentech que combina florestas plantadas e tecnologia com a economia colaborativa! Desta combinação de ingredientes, geramos títulos de investimentos verdes que promovem o desenvolvimento socioambiental na Amazônia enquanto trazem retorno financeiro para os investidores.

Por meio do sistema de equity crowdfunding, regulado pela CVM (Comissão de Valores Imobiliários), qualquer pessoa ou empresa — mesmo um pequeno financiador ou aquele que não tem experiência com investimentos de qualquer tipo — tem acesso aos investimentos florestais com uma rentabilidade esperada de 12% ao ano. 

Quem pode investir?

Qualquer pessoa física ou jurídica com CPF/CNPJ registrado no Brasil.

O que é um módulo florestal?

O módulo florestal é como chamamos uma área com floresta plantada, pronta para ser capitalizada em títulos de investimentos. Atualmente, cada hectare de plantio é dividido em 200 títulos (cotas).

No total, a Radix já implementou 5 módulos, com 110 hectares administrados e 620 investidores. Nossa meta é realizar a implementação de 100 novos hectares plantados anualmente!!! Vamos nessa? 👊

Como funcionam as ofertas dos títulos de investimento da Radix?

Os títulos são ofertados em rodadas de captação que acontecem aproximadamente a cada 6 meses. A Radix lança a oferta por meio de uma plataforma eletrônica de investimento participativo com registro na CVM (Comissão de Valores Mobiliários), indicada durante a divulgação da oferta. Na plataforma intermediadora, o investidor preenche seus dados, assina os documentos de adesão (assinatura eletrônica) e faz o depósito do valor financeiro para a conta indicada.

Após a conclusão da captação, a plataforma envia a Nota de Negociação referente  ao Contrato de Investimento Coletivo celebrado entre a Radix e o investidor. O contrato é realizado de acordo com a Instrução Normativa 588/2017 – CVM e garante direito de participação sobre os resultados financeiros de um módulo florestal. Em caso de falha ou cancelamento da oferta, o montante retorna integralmente para o investidor.

A Radix derruba florestas nativas para fazer o plantio?

Os terrenos de plantio são sempre pastagens ou cultivos abandonados: trabalhamos em terras que já foram desmatadas. Mesmo as árvores nativas que existem no meio do pasto não são derrubadas. Dentre as ações para a redução das emissões de gases de efeito estufa, a mais relevante é a conversão de áreas degradadas para áreas de alta produtividade, que garantam o armazenamento de carbono no solo através do manejo sustentável.

Na Radix, nós cultivamos florestas plantadas, com espécies de alto valor agregado como o Mogno Africano. Contribuímos para uma economia de baixo carbono, fazendo com que o seu dinheiro cresça junto com as árvores. 

A Radix planta somente Mogno Africano?

O Mogno Africano é o carro-chefe das florestas plantadas da Radix devido ao seu alto valor agregado, ótima adaptabilidade às condições edafoclimáticas da região onde acontecem nossas operações e facilidade de manejo. Em alguns módulos, nas entrelinhas do Mogno Africano, temos realizado consórcios com castanha, cacau, pau de balsa, ipê, jacarandá, aroeira e jatobá.

Embora estas espécies florestais tenham potencial para trazer retornos financeiros, consideramos apenas os resultados esperados com o Mogno Africano para calcular nossa expectativa de retorno financeiro. As demais culturas constituirão dividendos extras que podem ajudar a superar as expectativas de rentabilidade dos títulos. Também realizamos o plantio de crotalária, milheto, sorgo e feijão guandu nas entrelinhas, sem finalidade comercial, mas com o objetivo de agregar matéria orgânica ao solo e gerar cobertura na época da estiagem.

Além disso, 5% de tudo que captamos em nossas ofertas são destinados para projetos socioambientais que garantem educação ambiental e retornos sustentáveis. Em busca de modelos de plantio mais diversificados e sucessionais, a Radix está aplicando esse recurso em uma pesquisa para o cultivo agroflorestal do Mogno Africano, em parceria com a Embrapa Roraima. O projeto será desenvolvido na Fazenda da Esperança de Roraima, onde foi implantado o módulo 4.

Qual é a produtividade esperada de Mogno Africano?

Com base em dados científicos que monitoram o crescimento do Mogno Africano, espera-se uma média de crescimento de 2 centímetros ao ano e um fuste final de 9 metros de altura. Além disto, há um índice de perda em 10% e o aproveitamento em serraria é de 60%. Dessa forma, a produtividade esperada com o corte raso das árvores é de 190 m3 de madeira serrada por hectare.

Os índices de crescimento são acompanhados com tecnologias de precisão que monitoram o desenvolvimento da floresta (dendrômetros com bluetooth 💡). Os dados são apresentados aos nossos investidores através de relatórios trimestrais.

Quais são os dividendos e a expectativa de rendimento?

A expectativa de rentabilidade para o investidor, em um cenário conservador, é de 12% ao ano, sendo esperados 2 momentos para retorno: 

  1.  Entre 8 e 10 anos, quando é realizado o desbaste da floresta. O desbaste é uma operação programada que consiste na retirada de cerca de 50% das árvores do sistema. O momento certo do desbaste é orientado com base em critérios qualitativos e sistemáticos avaliados pela equipe de engenheiros florestais que assessoram a Radix e acompanham o desenvolvimento das árvores. O corte é feito com intuito de liberar espaço para que as árvores remanescentes aumentem seu ritmo de Incremento Volumétrico. A madeira deste desbaste já é passível de comercialização e gera o primeiro retorno do investimento, que é calculado a partir do resultado líquido da operação e depositado diretamente na conta bancária do investidor cadastrada na plataforma.
  2. Entre 15 e 20 anos, período previsto para o corte raso das árvores. Nesse momento o investidor receberá o retorno final, quando é apurado o resultado líquido da operação de corte, beneficiamento e venda dos ativos. Os valores são depositados nas contas informadas pelos investidores, liquidando o título de investimento.

A expectativa (12% a.a.) é calculada considerando todos os pagamentos previstos referentes à venda de madeira. Isso significa multiplicar o capital investido de 6 a 8 vezes em um prazo de 18 anos (vencimento).

Além dos ativos florestais, a Radix estuda atuar em iniciativas empresariais para compensação de emissões de carbono através do pagamento por serviços ambientais. Se atuarmos neste mercado, os resultados financeiros também serão compartilhados com os investidores, conforme previsto no contrato celebrado.

Qual é o valor mínimo para investir?

Os títulos da Radix são definidos a cada nova oferta e, por esse motivo, não é possível predizer antecipadamente o valor. Nossa missão é democratizar o investimento verde através do reflorestamento com espécies comerciais, permitindo grande parte da população tenha acesso a esse tipo de rentabilidade. Com esse horizonte, todas as nossas ofertas anteriores visaram a emissão de títulos com valor aproximado em 500 reais. Independentemente do número de títulos que deseje adquirir, a aplicação é única, sem mensalidades, anuidades ou qualquer outra cobranças futuras.

Como é calculado o valor do título?

O carro-chefe das florestas plantadas da Radix é o Mogno Africano, espécie muito bem adaptada ao nosso solo e clima, além de possuir ótima resistência a pragas. Outra grande vantagem da espécie é o preço da sua madeira nobre, que tem variado de € 500 a € 1200 por m³, segundo os relatórios da ITTO (2020).

Apesar das ótimas projeções e do aumento da demanda, a Radix não considera a especulação do valor do Mogno Africano para o cálculo de rentabilidade dos títulos. 

O valor dos nossos títulos é calculado apenas em relação à projeção de rendimento biológico das árvores (crescimento esperado em volume), com expectativa de faturamento baseada no preço médio da madeira nos últimos 12 meses. 

Para chegar ao valor do título fazemos o cálculo VPL (valor presente líquido). Este método consiste em trazer para a data zero todos os fluxos de caixa de um projeto de investimento e somá-los ao valor do investimento inicial, usando como taxa de desconto a taxa mínima de atratividade (TMA) da empresa ou projeto. 

Na Radix, calculamos o valor do título inicial considerando uma TMA de 12% ao ano.

Qual é a liquidez dos títulos?

Atualmente os títulos da Radix são papéis de baixa liquidez, uma vez que a CVM (Comissão de Valores Imobiliários) ainda não regulamentou o mercado secundário para operações de equity crowdfunding. A boa notícia é que a Instrução Normativa 588 (CVM) está atualmente passando por uma remodelagem. Uma das questões propostas pela CVM nesta revisão é a criação de um mercado secundário que deve aumentar a liquidez dos papéis ainda no próximo ano.

Enquanto isso, caso o investidor precise liquidar o título antes do vencimento, precisará encontrar um comprador e realizar a transferência de titularidade por meio de um termo de cessão do título, cujo modelo encontra-se anexo ao contrato de investimento. O investidor tem ainda a obrigação de informar ao emissor sobre a transação realizada para que seja efetivada e comunicada à plataforma de registro. 

Qual é o vencimento dos títulos?

O vencimento dos títulos é determinado pelo ciclo biológico das árvores, que varia de 15 a 20 anos. As datas de vencimento são definidas no momento da oferta dos títulos, com base na data de plantio das árvores no módulo florestal capitalizado. Geralmente, são títulos com vencimento para 18 anos.

Quais são as taxas e impostos aplicados?

Atualmente a alíquota de imposto utilizada sobre rendimentos oriundos de investimentos em crowdfunding é a mesma aplicada ao ganho de capital: 15% retido na fonte no momento do vencimento ou liquidação. A plataforma eletrônica, onde estão registrados os títulos, também emite anualmente um informe sobre como deve ser feita a declaração dos investimentos com a Radix.

Não há nenhuma taxa de administração para realizar o investimento. Todos os encargos administrativos da oferta dos títulos são assumidos pela Radix.

Quais são os riscos e a volatilidade?

O risco de perda em um investimento florestal é de menos de 1%, um índice comparável à poupança. Estudos do Forest Research Group têm demonstrado que investimentos florestais possuem alta rentabilidade e baixa volatilidade. Isso porque, independente de oscilações econômicas e mercadológicas, as árvores continuam crescendo e valorizando!

A Radix possui seguro florestal em todas as fazendas e isso garante que, em caso de dano, seja feito o replantio de toda a área afetada. Além disso, trabalhamos com ações preventivas:

  • As queimadas são riscos bem controlados já que a Radix mantém caminhões pipa nas fazendas, além de aceiros bem definidos e funcionários treinados no combate ao incêndio. 
  • O risco de pragas é mitigado pelo bom manejo florestal e pelas próprias características do Mogno Africano, espécie bem resistente a pragas. 
  • O risco de liquidez decorre do fato que o retorno do investimento é no médio e longo prazo, após o crescimento e corte das árvores. Mas quem investe na Radix já sabe que a natureza não trabalha com pressa.

Por fim, quanto ao risco de variação do preço da madeira, ele pode oscilar tanto para cima quanto para baixo. Historicamente a madeira tem se tornado mais valiosa a cada ano e a projeção de demanda é ainda maior para o futuro, mundialmente. A Radix também fomenta programas e atividades que agreguem valor ao preço da madeira a fim de aquecer o mercado e gerar retornos ainda melhores do que os esperados.

Como posso acompanhar os indicadores de desempenho?

Todos os títulos emitidos pela Radix ficam registrados na plataforma Basement (www.basement.io). Através da plataforma enviamos trimestralmente aos nossos investidores um relatório de atividades com as principais ações realizadas nos módulos florestais, além de indicadores de performance das florestas. Dessa forma, você acompanha seu investimento de perto.

Os indicadores de performance são métricas importantes para a valoração do seu título e ficam disponíveis também na plataforma por meio de gráficos que possibilitam uma melhor visualização desses dados. Uma dessas métricas é o incremento volumétrico da floresta, que é aferido em nossos inventários florestais. Contamos com sensores, desenvolvidos pela startup Treevia (www.treevia.com.br), instalados em nossas florestas para garantir essa informação de crescimento das árvores chegue ao investidor da maneira mais rápida e fidedigna possível.

A Radix dá extrema importância a essa transparência, por isso mantém outros canais abertos com seus investidores. Estamos sempre disponíveis para atendimentos por
email, Telegram e Whatsapp. 

Por que meu investimento com a Radix ainda não aparece na plataforma?

Após o encerramento da oferta, verificamos se os documentos de todos os investidores estão corretamente assinados para prosseguir com a emissão das Notas de Negociação. Após a emissão, enviamos os documentos ao administrador da plataforma de investimentos parea que o processo de registro se inicie. Na última etapa, a Radix faz a conferência de todos os dados e títulos registrados antes de liberar a publicação. No total, estimamos que esse processo leve em torno de 30 dias.

Como posso compensar minha pegada de carbono com a Radix?

Utilizando critérios da metodologia Verra (antigo VCS), para estimar o sequestro de carbono durante o ciclo florestal, chegamos ao valor aproximado de 11 ton/ha/ano. Considerando que cada hectare é dividido em 200 títulos, a quantidade de carbono captada por título é de 55 kg/ano. 

Com base nestes dados e utilizando uma calculadora de pegada de CO2 (recomendamos a calculadora da Iniciativa Verde), você poderá estimar o número de títulos em que deve investir anualmente para compensar sua própria pegada. 🧐 

O que achou dessa ideia?  Envie sua pegada para atendimento@radixflorestal.com.br! Estes dados contribuem para a elaboração de mais ações sustentáveis 😉

FALE CONOSCO

SHN Quadra 1 Área Especial A, Entrada A,
Sala 1414, Ed. Le Quartier – Asa Norte,
Brasília – DF, CEP: 70701-000.

CADASTRE-SE

PARA SABER MAIS INFORMAÇÕES